A oração — um meio de perceber o bem que já existe

 

Raymond Mathews

 

Muitas Pessoas Acreditam que, quando precisam de alguma coisa em sua vida diária, tudo o que têm a fazer é pedi-lo a Deus. Entretanto, elas se dão conta de que, muitas vezes, essa oração não é atendida. A Bíblia nos diz: “.. . Nada tendes, porque não pedis; pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres.” 1 A Bíblia na Linguagem de Hoje coloca esses versículos nestes termos: “Não conseguem o que querem porque não pedem a Deus. E quando pedem, não recebem, porque pedem mal. Vocês pedem coisas para usá-las para os seus próprios prazeres.”

Motivos justos são de vital importância, se quisermos que a oração seja eficaz. Por exemplo, quando Deus perguntou a Salomão o que ele queria lhe fosse dado, o rei quis um coração compreensivo para julgar o seu povo de maneira justa. Esse pedido agradou a Deus, pois Salomão não lhe pediu riquezas, longevidade ou o domínio sobre os seus inimigos. Deus deu ao rei uma insuperável sabedoria (pela qual o rei ficou famoso) e, além disso, riquezas e honra.2 E, é claro, em seu Sermão do Monte, Cristo Jesus ordenou aos que o estavam ouvindo que procurassem, antes de tudo e principalmente, o reino de Deus e Sua justiça. Só depois é que se acrescentariam as coisas de que o homem necessita, como bem o sabe Deus.3

É melhor não procurar ou “almejar” coisas terrenais. Não há nada de grandioso nas coisas materiais. Podemos confiar em que Deus, nosso Pai-Mãe, provê com abundância a todas as necessidades de Sua própria e amada progênie. Reconhecer o constante suprimento espiritual de Deus revela, ou traz à luz, aquilo que se faz necessário em nossa experiência atual.

Uma lição que vale a pena aprender é a de que Deus conhece nossas necessidades essenciais antes que as peçamos a Ele; isso é assim, porque o homem é criado por Deus, como Seu reflexo, ou idéia. A concepção pura da Mente divina a respeito do homem é concomitante ao suprimento de tudo o que é útil (não supérfluo) ao homem, a idéia infinita de Deus. Em outras palavras, a idéia divina e o respectivo sustento são coincidentes e, portanto, inseparáveis. Uma perspectiva material, ao contrário, apresentaria falsamente a idéia da Mente divina, o homem, como separado da Mente. Contudo, isso nunca poderá, em realidade, ser assim.

A Sra. Eddy escreve em seu livro, que é realmente uma inspiração, Ciência e Saúde: “O Amor divino sempre satisfez e sempre satisfará a toda necessidade humana.” 4 Ela afirma também: “O desejo é oração; e nenhuma perda nos pode advir por confiarmos nossos desejos a Deus, para que sejam modelados e sublimados antes de tomarem forma em palavras e ações.” 5 Quando desejamos algo, é bom observar se obedecemos a necessidades materialistas ou se é uma necessidade legítima ou uma idéia justa. Nesse processo de exame cuidadoso, os aspectos egoísticos serão expostos, eliminados e os aspectos abnegados e valiosos de nossos desejos permanecerão. O desejo é assim modelado e sublimado. E você poderá orar com confiança a fim de compreender que aquilo que é essencial é seu de direito, já está disponível, é parte de sua herança como filho ou herdeiro de Deus.

Às vezes, porém, pode parecer difícil determinar se nossos desejos são justos ou egoístas. À medida que conseguirmos purificar nossos motivos, poderemos agir confiantemente com base em nosso mais alto conceito de justiça. Se ficar evidente que o rumo escolhido estava errado, podemos ter a certeza de que Deus nos direcionará no caminho que de fato é melhor para nossos interesses.

Na Ciência Cristã, não oramos para que Deus nos dê coisas ou para conseguir que Deus nos faça ficar bons. Ao contrário, oramos para perceber, para discernir espiritualmente aquilo que já existe! Como é que alguém pode perceber as coisas como elas são verdadeiramente? Isso se consegue ao afirmar as verdades espirituais sempre presentes a respeito de Deus e de Sua criação. A oração afirmativa declara e faz a distinção de que, de um ponto de vista espiritual, todo poder, toda presença, toda Ciência, toda ação estão contidos em um e único Deus; que, pelo poder de Sua infinita inteligência, Ele criou o universo, inclusive o homem, que Ele fez conforme a Sua imagem e semelhança. Todo o bem que existe já foi criado e, portanto, está disponível aos que pedem acertadamente.

Se Deus é Espírito, como o revela a Bíblia, Sua criação é substancialmente espiritual e nada inclui que seja material. Aquilo que parece ser material é um falso conceito da crença mortal, ignorante da realidade espiritual. É, portanto, essencial que o pensamento esteja pautado de acordo com a Mente divina.

Um Cientista Cristão estava morando num país onde havia uma falta enorme de automóveis e peças de reposição, devido a rígidas restrições de importações. Tinha um carro bastante antigo. Era indispensável conseguir outro. Ele e a esposa oraram para obter uma compreensão mais elevada sobre transporte, de um ponto de vista espiritual. O filho caçula sugeriu que o pai estudasse os preços de carros usados e que negociasse com os representantes porque, caso contrário, seria muito pouco provável que aparecesse algum carro. Tranqüilizaram o menino, afirmando que a oração era eficaz e prática e que ele não deveria ficar surpreso quando visse de que forma aquela necessidade seria suprida.

Os pais recordaram a narrativa de como Jesus andou sobre o mar, acalmou a tempestade e entrou na embarcação em alto mar “e logo o barco chegou ao seu destino”.6 Certamente, esse transporte instantâneo até a praia ilustrou a compreensão espiritual que Jesus tinha da onipresença — a forma mais avançada de transporte, sempre disponível! Além disso, os pais raciocinaram que a onipresença de Deus poderia também ser representada na experiência humana como expressões de movimento, seja na forma de um carro, um barco, um patinete ou um avião. Eles tinham certeza de que teriam exatamente o meio de transporte de que precisavam naquele instante.

Pouco tempo depois, um diretor-gerente de uma sociedade revelou que queria vender um bom carro da companhia (carro esse relativamente novo e em excelentes condições), pois tinha um modelo novo à sua disposição. O preço total para aquisição do carro, entretanto, parecia ser superior aos meios que possuíam. Deram especial atenção ao relato bíblico da viúva pobre, a qual precisava dinheiro para evitar que os filhos fossem feitos escravos. Ela foi ao encontro do profeta Eliseu e este perguntou-lhe o que tinha em casa. Havia apenas uma botija de azeite. Obediente às instruções do profeta, ela pediu emprestadas muitas vasilhas e, com grande fé, encheu todas elas, usando apenas o azeite daquela vasilha que já tinha. Ela vendeu o azeite e livrou-se de sua dívida. 7 Isso indica um fluir constante de benefícios já disponíveis, de uma ou de outra maneira, para cada um dos filhos do Pai.

Os pais examinaram com cuidado o que tinham “em casa”. Possuíam um trailer que já se tornara supérfluo por falta de uso. De um dia para outro conseguiram não só vender aquele trailer, mas também garantir condições vantajosas para o pagamento do saldo. O carro, ao ser entregue, foi conduzido até a entrada de veículos da casa, justamente quando os membros da família estavam no jardim! Sentiram profunda gratidão.

A gratidão reconhece a eterna disponibilidade do bem em nossa vida. Como o bem é outro nome para Deus, a gratidão é o reconhecimento da presença e do poder de Deus e da magnitude do ser espiritual. O fato espiritual é que todas as coisas boas, mesmo que não imediatamente perceptíveis aos sentidos materiais, são uma realidade constante. Podemos orar com o Salmista: “Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei”, 8 a fim de discernir e provar essa bondade.

1 Tiago 4:2, 3.  2 1 Reis 3:5—14.  3 Ver Mateus 6:31—33.  4 Ciência e Saúde, p. 494.  5 Ibidem, p. 1 .  6 João 6:21.  7 2 Reis 4:1—7.  8 Salmos 119:18.  

– See more at: http://pt.herald.christianscience.com/portugues/edicoes/1995/12/045-12/a-oracao-um-meio-de-perceber-o-bem-que-ja-existe#sthash.7ifDmRIX.dpuf

Anúncios

Sobre cienciacristabrasil

A Ciência Cristã ou Christian Science foi descoberta por Mary Baker Eddy em 1866, nas proximidades de Boston, MA, EUA. Baseia-se na vida, palavras e obras de Jesus Cristo. Ela é um movimento religioso global. Está aberta a todos no livro: CIÊNCIA E SAÚDE COM A CHAVE DAS ESCRITURAS, de autoria de Eddy.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s