Enchentes, orações e o amor de Deus

Lillian Jermane

Da edição de outubro de 1991 dO Arauto da Ciência Cristã

Com Algumas Interrupções, havia chovido seis dias seguidos. Os rios estavam transbordando, tanto pelas chuvas como pelo volume de água recebida das neves que derretiam nas montanhas. As cidadezinhas aninhadas às margens dos rios estavam submersas, com água a vários metros de altura. Já houvera perda de vidas humanas e algumas pontes haviam ruído.

Naquele dia, as notícias diziam que cinco outras cidades seriam inundadas nas vinte e quatro horas seguintes, pois tudo indicava que a água subiria mais sessenta centímetros. Todas essas cidades receberam o aviso de alerta, o que significava que os habitantes deveriam estar preparados, se fosse necessário, para evacuar o local.

Embora eu não morasse na área atingida pelas enchentes, comecei a pensar em todas aquelas pessoas que estariam aguardando, para ver se precisariam abandonar suas casas. De repente, perguntei-me: “O que é que você está fazendo? Em vez de confiar em Deus, você crê que a enchente chegará àquelas cidades?” Senti vergonha de mim mesma. Pelo estudo da Ciência Cristã, eu havia aprendido acerca da bondade onipotente de Deus. Como mãe, sempre havia confiado meus filhos aos cuidados dEle, orando todos os dias por eles. (Também lhes havia ensinado a orar por si mesmos.) Naquele momento, percebi que devia orar a respeito daquelas cidades ameaçadas pela inundação e compreender que todos estavam sob a proteção de Deus.

Em seu livro Ciência e Saúde, a Sra. Eddy salienta que Deus, o bem, é a única causa e o único efeito, pois Ele é o único criador. Por ser Deus onipresente, está em toda parte e ninguém pode ser excluído de Seu amor. Essa simples verdade demonstrável tinha servido de base para minhas orações diárias por mim e minha família, havia anos. Assim eu me havia libertado muitas vezes das preocupações, pois colocava a nós todos nas mãos de Deus.

Isso também era verdade para aquelas pessoas na área inundada. Todos eram filhos espirituais de Deus e estavam aos Seus cuidados, assim como nós. Esse é o único lugar onde o homem pode estar porque o homem espiritual vive em Deus, na Mente divina. Em verdade, você, eu e todos somos os filhos espirituais de um único Pai, Deus, que sustém Sua própria criação espiritual. Não somos seres materiais sujeitos a desastres e pavores. O conceito mortal baseia-se na matéria como sendo causa e efeito. O conceito divino está fundamentado no fato espiritual de que Deus e Sua criação são perfeitos e bons.

Uma vez feita essa distinção entre o mortal e o divino, e quando nos atemos a essa verdade, teremos mentalmente aberto a porta para a cura. A oração eleva nossa consciência para fora do problema e acima dele. Então vemos que a única realidade, a única coisa verdadeira é a onipotência de Deus. Quando Sua onipotência e onipresença se nos tornam claras, sentimo-nos livres do medo. Dessa maneira, podemos tomar decisões acertadas. Por meio da oração, compreendemos melhor o que é falso, isto é, a matéria, e o que é verdadeiro: o Espírito. Apegando-nos a essa verdade, mesmo diante de problemas, somos capazes de sentir a presença de Deus em nossa vida. Como explica o livro Ciência e Saúde: “Mantém o pensamento firme nas coisas duradouras, boas e verdadeiras e farás com que elas se concretizem na tua vida, na proporção em que ocuparem teus pensamentos.”

A obediência a esse preceito me ajudou, diversas vezes, a resolver problemas graves em minha vida. Orando a respeito do perigo das enchentes, vi o que era necessário nesse caso: completa confiança em Deus e compreensão do fato de que o poder de Deus está sempre presente. Sendo Ele Princípio divino, Sua lei é a única que está atuando e essa lei continua a revelar a perfeição de Deus e de Sua criação.

Enquanto me apegava com firmeza a essas verdades, fui inspirada a procurar a palavra inundar no dicionário. Este dizia, entre outras coisas, que inundar significa “encher completamente, deixar repleto”. Vi imediatamente que, em termos espirituais, o que “enchia completamente” tudo era o abundante amor de Deus por Seus filhos.

Cristo Jesus ensina: “Não julgueis segundo a aparência, e, sim, pela reta justiça.” Na situação do momento, vi que reta justiça seria compreender que o cuidado amoroso e abundante que Deus tem por Seus filhos era a única presença e o único poder. Fiquei confiante de que esse amor se manifestaria bem ali nas cinco cidades ameaçadas, assim como nas outras localidades inundadas. Tal presença, tal onipresença e onisciência de Deus, sempre se traduzem em uma inundação de bem que dissolve a discórdia, o ódio, o medo e a dúvida.

Exatamente quando nos sentimos perdidos e apavorados, exatamente nos momentos difíceis, é que podemos tomar uma atitude firme e aceitar todo o bem que a Mente divina representa. A Mente divina é a única existência e na Mente tudo tem de ser totalmente bom. Não pode haver mal em Deus, no Amor. Colocamos a nós mesmos, a todos e a tudo em Deus, no Amor. É isso que nos liberta. É isso que cura.

A significação espiritual de rio no Glossário de Ciência e Saúde é muito esclarecedora. Diz: “Canal do pensamento.” E continua: “Quando manso e não obstruído, simboliza o curso da Verdade; mas lamacento, espumante e impetuoso, é o símbolo do erro.” Sob o governo de Deus, portanto, a idéia espiritual de rio tem de ser harmoniosa. Só quando visto como exclusivamente material é que o rio pode ser destrutivo e perigoso.

Quando compreendi que a única inundação é a da abundância do bem proveniente de Deus, que supre tudo o que nos é necessário e faz isso no momento certo, senti-me em paz. Sabia que da infinita bondade não viriam problemas nem destruição. Fui dormir sem sentir medo algum quanto a todas aquelas pessoas. Tinha certeza de que a lei de Deus e Seu perene amor por todos os Seus filhos, em todo lugar, estavam atuando sem interrupção.

No dia seguinte, havia parado de chover. O noticiário informou que as águas não haviam subido como fora previsto. Ao contrário, haviam recuado cinco centímetros. O estado de alerta havia sido concelado, pois as águas continuavam recuando. Nos dias que se seguiram, foi noticiado que as pessoas estavam voltando a suas casas e começavam a limpar seus pertences.

Quando tomamos conhecimento de alguma necessidade e voltamonos a Deus em oração, temos a possibilidade de nos livrar do medo e da dúvida. Em qualquer circunstância ou problema, podemos sempre ter certeza de que Deus está conosco onde quer que estejamos.

 

– See more at: http://pt.herald.christianscience.com/portugues/edicoes/1991/10/041-10/enchentes-oracoes-e-o-amor-de-deus#sthash.nLCMPm4W.dpuf

Anúncios

Sobre cienciacristabrasil

A Ciência Cristã ou Christian Science foi descoberta por Mary Baker Eddy em 1866, nas proximidades de Boston, MA, EUA. Baseia-se na vida, palavras e obras de Jesus Cristo. Ela é um movimento religioso global. Está aberta a todos no livro: CIÊNCIA E SAÚDE COM A CHAVE DAS ESCRITURAS, de autoria de Eddy.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s