A perfeição está sempre presente

Marcia Machado Flesch

Da edição de junho de 1991 dO Arauto da Ciência Cristã

 

Certa Tarde, Minhas filhas e eu estávamos sentadas na varanda de nossa casa. Estava meio quente e o tempo seco deixava o sol bem vermelho. Aquela paisagem na hora do anoitecer daria uma bela foto.

Nossa conversa estava animada e nem percebemos que já havia escurecido. Então, chamei a atenção das meninas para a bela paisagem, dizendo que a beleza do jardim e das árvores estava como que emoldurada pelo mar e as colinas lá ao longe. Uma das meninas perguntou como eu podia ver no escuro. Assegurei-lhe que eu sabia que, apesar da escuridão, a beleza estava presente.

As meninas e eu rimos. Elas concordaram, afirmando que até de olhos fechados sabiam da beleza do lugar.

Mais tarde, pensei nisso com relação ao meu estudo da Ciência Cristã. Graças a esta Ciência eu aprendia que o homem criado por Deus é perfeito e bom. Também sabia que tal identidade espiritual é a natureza verdadeira de cada um de nós, ainda que não percebamos essa perfeição em nós mesmos ou nos outros.

Assim como a beleza da paisagem estava presente, apesar de não estar visível por causa da escuridão, assim também a perfeição do filho de Deus está sempre presente, embora às vezes pareça oculta pela desarmonia, doença, pecado ou morte.

Em Ciência e Saúde a Sra. Eddy nos assegura: “O homem, governado pela Mente imortal, é sempre belo e sublime.” Essas palavras nos ajudam a compreender como reconhecer e expressar nossa perfeição inata. Devemos deixar Deus governar nossa vida e obedecer a Suas leis, tais como os Dez Mandamentos.

Quando nos apegamos à idéia de que Deus criou o homem na Sua semelhança e entendemos que o Amor divino é imutavelmente bom, vamos compreendendo nossa natureza verdadeira como Seus filhos. Além disso aprendemos que, por sermos a imagem, ou expressão, de Deus, nada nos pode separar d’Ele. Em outras palavras, nunca podemos, na verdade, ser outra coisa senão Sua semelhança espiritual.

Cristo Jesus, em sua carreira terrena, realizou muitas curas porque via o homem perfeito ali onde para os sentidos materiais parecia haver discórdia. Certa vez, um jovem se aproximou de Jesus e perguntou o que deveria fazer para alcançar a vida eterna. Em resposta, o Mestre disse a ele que guardasse os Mandamentos. O moço afirmou que já os cumpria, mas queria saber o que ainda faltava. Respondeu-lhe Jesus: “Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá aos pobres, e terás um tesouro no céu; depois vem, e segue-me.”

O jovem ficou triste porque tinha muito apego a seus bens e não atendeu ao chamado. Ele não quis submeter seus próprios desejos ao governo de Deus.

Seguir de todo o coração o Cristo, a Verdade, é requisito para obtermos a cura. Deixamos de lado todos os conceitos humanos, materiais, a vontade humana e a sabedoria e informação provenientes dos sentidos corpóreos. Assim, poderemos perceber o filho perfeito de Deus, o nosso eu verdadeiro, que está sempre presente.

Anos atrás, quando minhas filhas eram ainda muito pequenas, eu estava com elas no jardim. Elas brincavam, andando de triciclo. A menor me chamou para mostrar como descia depressa o declive em frente à casa. Antes que eu pudesse fazer ou dizer algo, ela havia batido contra a cerca e machucado gravemente a boca. Peguei a menina no colo, limpei-lhe o rostinho e orei sinceramente, tendo em vista o relacionamento ininterrupto da criança com Deus.

Afirmei que a filha de Deus não podia ser separada de seu Pai-Mãe Deus. Sob o governo de Deus, que é o Princípio perfeito, Amor, o homem é sustentado pela lei do Amor. Eu sabia que essa lei do Amor nos faria ver que a identidade real de minha filha não podia ser perturbada por circunstâncias materiais. A menina estava, de fato, sob o governo de Deus, o bem. Eu tinha certeza de que, como diz a Bíblia acerca de Deus, “Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal.” (Habacuque)

Em poucos dias, os dentes que estavam frouxos se firmaram, os outros ferimentos sararam e ela podia comer normalmente. Os dentinhos estavam na posição normal. Antes dessa cura haviam estado um pouco para a frente.

A certeza, o saber consciente, de que nada havia tocado a verdadeira idéia de Deus nem a havia separado da perfeição que tem por reflexo e herança, calou nossos temores e assim a cura se deu. Isto é, a perfeição que sempre havia estado presente, apareceu.

A compreensão de que a natureza do homem é inteiramente espiritual e de que isso se torna real em nossas vidas, está ao alcance de cada um de nós. Quando oramos para reconhecer e expressar o amor de Deus, descobrimos que fica cada vez mais fácil ver que a perfeição é inerente a todo ser verdadeiro.

– See more at: http://pt.herald.christianscience.com/portugues/edicoes/1991/6/041-06/a-perfeicao-esta-sempre-presente#sthash.3PXJsDL4.dpuf

Anúncios

Sobre cienciacristabrasil

A Ciência Cristã ou Christian Science foi descoberta por Mary Baker Eddy em 1866, nas proximidades de Boston, MA, EUA. Baseia-se na vida, palavras e obras de Jesus Cristo. Ela é um movimento religioso global. Está aberta a todos no livro: CIÊNCIA E SAÚDE COM A CHAVE DAS ESCRITURAS, de autoria de Eddy.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s